As árvores são indispensáveis para a sobrevivência humana, já que possuem diversas finalidades. Elas auxiliam na purificação do ar absorvendo o CO², capturando os gases tóxicos e devolvendo o oxigênio puro para a atmosfera. Além disso, as árvores trazem uma série de benefícios para ecossistemas e espaços públicos.

Segundo um estudo publicado pela revista Science, em Julho de 2019, plantar bilhões de árvores pelo mundo seria a melhor forma de manter a qualidade de vida por mais alguns anos. Pela primeira vez uma pesquisa quantifica o número de árvores que deveríamos plantar na Terra para diminuir em pelo menos 25% os níveis de carbono na atmosfera, além de mostrar em quais regiões do planeta cabem mais árvores plantadas.

Estudo mapeia áreas do planeta que poderiam receber mais plantações de árvores (Foto: Reprodução/Science)

Os estudos apontaram que 0,9 bilhões de hectares do ecossistema terrestre estão livres para plantio de novas árvores. Se todo este espaço fosse usado com plantações, 200 bilhões de toneladas de gás carbônico seriam removidos da atmosfera gerando um impacto extremamente positivo para os seres vivos.
A melhor maneira de cultivar tantas árvores ainda não está clara. Mas, enquanto as medidas estão sendo estudadas podemos fazer a nossa parte. Uma forma de colaborar com o reflorestamento é o plantio comercial e renovável do mogno africano.

O mogno africano é uma árvore que pode ser plantada e extraída legalmente no Brasil. As condições climática são extremamente favoráveis pois se assemelham ao seu país de origem proporcionando um crescimento mais rápido que outras espécies. Por possuir fuste retilíneo e colorações que variam entre tons de bege e marrom, essa madeira é cobiçada no mercado internacional sendo possível sua comercialização através do preço cúbico da madeira.

Você deve estar se perguntando “Como plantar uma árvore que será cortada beneficiaria a natureza?”

Pois bem, o mogno africano possui alto valor no mercado por ser utilizada na fabricação de automóveis, móveis, barcos e etc. Através de sua extração inadequada e comercialização ilegal vem se desenvolvendo um fenômeno que chamamos de apagão florestal, onde a oferta de madeira e a procura serão incompatíveis. Este fenômeno está previsto para os próximos 6 anos. Para resolver este problema desenvolvemos econegócios capazes de atenuar tais problemas de maneira prática, escalável e rentável.

Com o financiamento individual ou coletivo para o plantio de mogno africano disponibilizamos uma parte dos recursos financeiros para a plantação de matas nativas em áreas degradadas e parques públicos. Além de realizar ações de educação ambiental impactando pessoas para este propósito quando a madeira nobre estiver em fase de corte e venda você poderá receber parte do faturamento da venda.

Esta é a oportunidade de fazer a sua parte e construir um futuro melhor para as próximas gerações. Seja um ecoparceiro.

Fonte: Revista Galileu Science Mag